Início > A Maçonaria

A Maçonaria

Ir.’. Eduino Alves de Araújo

A Maçonaria pode ser dividida em três períodos: o Antigo ou Lendário, o Medieval ou Operativo e o Moderno ou Especulativo. Segundo alguns historiadores, do período Antigo ou Lendário não se tem conhecimento sobre a sua origem. Alcança mais ou menos o século V a.C. com a construção do Templo do Rei Salomão. O Medieval ou Operativo teria nascido do trabalho dos Construtores das Grandes Catedrais Medievais, cuja organização deu origem às Associações de Pedreiros Livres ou Franco-Maçons, cuja importância se desenvolveu entre os séculos XII e XIV. O período Moderno ou Especulativo teria originado, segundo alguns autores, na Escócia, para onde diversos membros Templários teriam fugidos da Inquisição que lhes impunham a Igreja Católica.

As Lojas de Maçons Operativos recebiam progressivamente membros que não pertenciam ao ofício da construção, que era composto por membros da nobreza, burguesia e clero, os chamados Maçons Aceitos.

A Maçonaria como conhecemos hoje, segundo o Dicionário da Maçonaria, de Joaquim Gervásio de Figueiredo, no verbete Franco-Maçonaria, foi fundada em 24 de junho de 1717, em Londres. A sua origem está ligada às Lendas de Isis e Osíris, Egito, ao culto a Mitra, vindo até a Ordem dos Templários e a Fraternidade Rosa Cruz.

É uma Instituição de caráter universal, cujos membros cultivam a filantropia, justiça social, os princípios de liberdade, democracia e equidade, aperfeiçoamento intelectual e fraternidade; é assim uma associação iniciática, filosófica, filantrópica e educativa. É constituída por homens de todas as raças, crenças e nacionalidades. É fundada no amor fraternal e na esperança de que, com amor a Deus, à Pátria, à família e ao próximo, com tolerância e sabedoria, com a constante e livre investigação da verdade, com a evolução do conhecimento humano pela filosofia, ciências e artes, sob a tríade da Liberdade, Igualdade e Fraternidade e dentro dos princípios da Moral da Razão e da Justiça, o mundo alcance a Felicidade geral e a Paz Universal.

Desse enunciado pode se deduzir que a Maçonaria:

a) proclama desde sua origem a existência de um Princípio Criador, ao qual, em respeito a todas as religiões, denomina Grande Arquiteto do Universo, que é Deus;

b) não impõe limites à investigação da verdade, e para garantir essa Liberdade, exige de todos a maior tolerância;

c) é acessível aos homens de todas as raças, classes e crenças, quer religiosas, quer políticas, excetuando as que privem o homem da liberdade de consciência e da manifestação do pensamento, restrinjam os direitos e a dignidade da pessoa humana e exijam submissão incondicional;

d) proíbe em seus Templos discussão político-partidária e religiosa sectária;além de combater a ignorância em todas as suas modalidades, constitui-se numa escola, impondo-se o seguinte programa:

  • obedecer as leis democráticas do país;
  • viver segundo os ditames da honra;
  • praticar a justiça;
  • amar o próximo;
  • trabalhar pelo progresso do homem.

e) adota o Livro da Lei, o Esquadro e o Compasso, considerados como suas três Luzes emblemáticas que deverão estar sobre o Altar dos Juramentos.

Proclama os seguintes princípios:

  • amar a Deus, a Pátria, a família e a humanidade;
  • praticar a beneficência de modo discreto, sem humilhar;
  • praticar a solidariedade maçônica, nas coisas justas, fortalecendo os laços de fraternidade;
  • defender os direitos e as garantias individuais;
  • considerar o trabalho lícito e digno como dever de homem;
  • exigir de seus membros boa reputação moral, cívica e familiar, pugnando pelo aperfeiçoamento dos costumes;
  • exigir tolerância para com toda forma de manifestação de consciência, de religião ou de filosofia, onde os objetivos sejam os de conquistar a verdade, a moral, a paz e o bem social;
  • lutar pelo princípio da equidade, dando a cada um o que for justo, de acordo com sua capacidade;
  • combater o fanatismo, as paixões, o obscurantismo e os vícios.
  • Os ensinamentos maçônicos orientam seus membros a se dedicar à felicidade de seus semelhantes, não só porque a razão e a moral lhes impõem tal obrigação, mas também porque esse sentimento de solidariedade os faz irmãos.

Reflexões

“A maçonaria é a Entidade mais sublime que conheci, por ser uma Instituição fraternal onde o profano ingressa para doar, sem pretensões de lucros materiais, procurando meios de fazer o bem, exercendo a beneficência”.

Voltaire

“Só podem ser maçons, os que crêem em Deus Infinito, os que reconhecem a necessidade de um culto e os que têm uma Pátria, cujos direitos e leis devem respeitar”.

Pe. Francisco João de Deus

“Os fins da Maçonaria em nada são opostos aos dogmas da religião de Jesus Cristo. A moral é toda santa e o Divino Mestre foi o mais fiel de seus adeptos”.

Pe. Manuel Bernardes

“Filha da ciência e mãe da caridade, ... . Fossem todas as sociedades como tu, oh! Santa Maçonaria e os povos viveriam eternamente idade de ouro“.

Cônego Januário da Cunha Barbosa

Bibliografia

  • Síntese de textos extraídos na Internet
  • Textos Maçônicos – Loja Jacques De Molay nº. 17 – G.LM.B - vol.I - 2002.